Segunda-feira, 31 de Maio de 2004

Ensaio para uma despedida.

Me dê mais cinco minutos,
para um último olhar
para mais um beijo te dar
para um último abraço
e de novo te segurar.

Quero melhor lembrar
teu perfume
teus lábios
teus olhos azuis!

Quero sentir teu estremecer
tua fraqueza de pernas
tua recusa na partida
quero te ouvir dizer
não partas ainda!

Quero melhor lembrar
tua paixão
tua alegria
tuas coxas abertas!

Me dê mais cinco minutos
deste louco romance
de encantos e fluidos
enquanto este trem
fecha suas portas abertas!

autor: Jorge Assunção
2004/05/31
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Maio de 2004

Presa Fácil

Desaperta-me o cinto
Ajuda-me a despir
esta pele
que me aperta
Esta noite
não quero dormir
Amanhã
não quero despertar
Quero toda a noite
contigo planar
Quero apontar-te
cada estrela no céu
Contar-te aventuras
de infâncias perdidas
Quero dar-me
a conhecer
Conhecer-te
mais e mais
Quero sentir
tua pele
teu aroma
Quero o sabor
doce da tua carne
teus beijos silvestres
Quero teu encanto
de ave noturna
ser presa fácil
suspensa em tuas garras
Quero de novo
ser teu antes de despertar


autor: Jorge Assunção
2004/05/28
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 12:28
link do post | comentar | ver comentários (76) | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Maio de 2004

Despertares... III

Ao longe, levemente
soava o som do farol.
O rebentar das ondas
do calmo mar,
chegavam ternas
ao meu ouvido,
Dizendo baixinho
acorda, acorda, acorda.
E nesse seu sussurar
faziam-se acompanhar
Da fresca maresia.
O sol esse mandrião
inda nem espreitava.
Contrariamente,
os motores das traineiras
faziam-nas atracar,
cansadas e inchadas
da faina recente.
Acompanhavam-nas
gaivotas gulosas.
Levantei-me
E fui receber
de novo esse
Despertar!


autor: Jorge Assunção
2004/05/27
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 13:14
link do post | comentar | ver comentários (38) | favorito
|
Terça-feira, 25 de Maio de 2004

Despertares... II

Acordei suavemente,
Num gesto doce
De amor e paixão.
Madrugaste em mim
Foste calor e luz.
Foste amanhecer,
De gestos e carícias.
Foste um forte respirar.
Massagem suave,
Em corpos ligados
Contorcidos em amor.
Lentamente,
Exaustos,
Fomos acordando,
Beijando,
Um ao outro.
Doce suavidade
De um amor
De madrugar!


autor: Jorge Assunção
2004/05/25
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 19:41
link do post | comentar | ver comentários (38) | favorito
|
Domingo, 23 de Maio de 2004

Despertares... I

Acordei diferente,
Ao som do trinar
Da alegre passarada.
A luz do Sol
Trespassava os estores.
Parecia um sonho,
Ah, se parecia.
Deixei-me flutuar
Nestes sentidos.
Imaginei então
Um lindo Jardim,
Chão coberto de relva,
Corredores lageados
Em mármore branco.
Pequenos aspersores
Borrifando o ar e relva.
Ensopando a terra
Que alimenta as árvores,
Que ensombreiam
Este banco de madeira,
Onde agora me esperguiço
E me acordo!


autor: Jorge Assunção
2004/05/23
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 16:23
link do post | comentar | ver comentários (65) | favorito
|
Sábado, 22 de Maio de 2004

Passo a passo...

Passo a passo,
Há novas razões
Para escrever.
Pedradas no charco
Da minha ignorancia.
Palavras chave
Do meu despertador.
Aquele que me acorda
Dos sonhos
E do entorpecimento
Do quotidiano.

Passo a passo,
Dou razão à razão
Do meu esquecimento,
Do meu viver apagado,
Para outros brilharem.
Mas vou dizendo
Em surdina,
Que se lixe!
Eles que brilhem!

Passo a passo
Pacificamente
Vou sobrevivendo!


autor: Jorge Assunção
2004/05/22
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 12:19
link do post | comentar | ver comentários (57) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Maio de 2004

Poeta de Esplanada

Numa esplanada, de um qualquer café.
Três srs. de colarinho e gravata,
falavam entusiasmados sobre poetas
e poesia.
Junto a eles, um varredor apanhava
as beatas e papeis, que os srs.
teimavam em deitar para o chão.
Um de eles, em tom de escárnio,
perguntou ao varredor:
- Oh moço? Sabes o que é um poema?
Os três riram.

O pobre homem, olhou para eles
e retorquiu:
-Só lhe respondo, se o sr. doutor
me escrever primeiro, umas frases
que lhe vou ditar.

Admirado com a atitude do homem
e disposto a gozar um pouco mais,
anuiu, tirando de uma pasta,
um bloco de folhas e prestou-se
a escrever.
Então o varredor disse-lhe:
- Tem uma condição, uma frase
uma linha.
O sr. de colarinho concordou,
preparando-se.
O Varredor começou.


Atentem neste Sol
Neste céu pardacento
Em que sua luz
não penetra.
Nestas paredes escurecidas
De alvenaria carcomida.
Atentem nestas varandas
Nas bandeiras e aros
Destas pôdres janelas.
Naquelas cortinas rotas
Na idosa que nos espreita.
Atentem nos pombos
E nos andorinhões
Que esvoaçam
De beirado em beirado.
Atentem neste chão
Sujo e escarrado
Que continuo varrendo.
Nos vossos fatos e camisas
De bom algodão engomado.
Atentem nos vossos
Aneis de curso
Na sua caneta de ouro
Na folha antes alva.
E por fim,
No poema que acabei
De vos recitar!


De acto contínuo, o varredor,
encostou a vassoura,
pegou na folha de papel,
pegou na caneta de ouro
e acrescentou ao poema:


autor: Jorge Assunção
2004/05/19
in Tou no TOP
publicado por Jorge dAlfange às 15:02
link do post | comentar | ver comentários (77) | favorito
|
Sábado, 15 de Maio de 2004

Reflorescer

portao2.jpg
autora: Ana Matos - Aguarela, vista parcial


Onde antes o nada,
Hoje refloresci!
É Primavera em mim.
Sou côr.
Sou frescura.
Sou alegria.
Sou o trinar
Da passarada,
Frescura das manhãs.
Olhar brilhante,
nos olhos de criança.
Onde antes o nada,
Sou flôr.
Sou jardim.
Sou cor.
Sou aragem
Sol e paixão.
Sou querer.
Sou vida.
Onde antes o nada,
Hoje, sou eu!


autor: Jorge Assunção
2004/05/15
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 12:55
link do post | comentar | ver comentários (49) | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Maio de 2004

Sumo de Toranja!

Bebi desse sumo, p'la manhã,
depois de prescutar o horizonte.
Tardava o sol.
Pomares a perder de vista,
de verde intenso,
salpicados de cítricas
pinceladas laranja,
quase desenhadas a compasso.
Andorinhas
chilrreavam alegres,
entrecortando o ar,
envoltas em bailados,
como se brincadeiras de roda,
executadas por crianças
se tratasse.
Toranjas resplandeciam,
cobertas p'la doce maresia,
rosadas do raiar,
que envergonhadamente
surgia por detrás desse mar.
Acordava lentamente,
junto com essa imagem
em minha retina,
enquanto a íris
se contraía, há medida
que esse louco astro
subia nos céus.
Emprestando agora ao pomar,
um quadro de pinceladas
curtas e torcidas,
em jeito de um Van Gogh,
tornando ainda mais valioso,
esse sumo de toranja!

autor: Jorge Assunção
2004/04/16
in Sim ou Não
publicado por Jorge dAlfange às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (26) | favorito
|
Quarta-feira, 12 de Maio de 2004

É loucura!

Que tentativa louca,
Esta a minha!
De querer lutar
Contra o tempo.
De querer estar
Onde não posso,
Onde não pertenço.
Loucura mesmo.
Desperdício
De energia
Desmedido.
Que quero eu fazer?
Que ganas me dá,
De me desdizer!
De fazer o que
Não quero.
De querer
O que não posso.
É loucura mesmo!


autor: Jorge Assunção
2004/05/12
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 13:08
link do post | comentar | ver comentários (34) | favorito
|
Domingo, 9 de Maio de 2004

Depois do Nada III.

Depois do nada,
É a razão,
Que nos traz
De novo á vida.
Volto á superfície,
Depois deste longo
Mergulho em mim.
Sim mergulhei
Bem fundo.
Em sítios, onde
Poucos se aventuram.
Procurei-me,
Caminhei por
Veias e artérias.
Tecido mole,
Neurônios.
Fui impulso
Electrico e percorri
Todo o meu corpo.
Redescobri-me em mim.
Redesedenhei-me.
Sou um outro eu,
Sou Primavera!
Sou Luz!
Sou Vida!
Depois do Nada!


autor: Jorge Assunção
2004/05/09
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 16:44
link do post | comentar | ver comentários (42) | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Maio de 2004

Depois do Nada II.

Depois do nada,
Demoro-me em ti.
Neste Maio escuro.
Espera!
Porque hoje vi-te rosa.
Neste Maio de desbunda,
Onde Abril foi ontem.

Depois do nada,
Máscaras de podridão.
Que quero eu,
Que sou magma fervente?
Depois do nada,
Por aqui!
Foi o limite,
Sobre estas pedras,
Ficáste reclusa!

Depois do nada,
Pescadora de mim,
Entrelaçados ficámos
A amar as palavras.
Neste encontro tardio,
Amei-te numa primavera
De cores.
Desvendei teus segredos
De Mulher.


autor: Jorge Assunção
2004/05/06
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 19:42
link do post | comentar | ver comentários (21) | favorito
|
Quinta-feira, 6 de Maio de 2004

Depois do Nada.

Depois do nada,
A esperança.
A réstia de luz
Lá fundo no túnel.
O querer de novo
Respirar,
Tomar o pulso.
Depois do nada,
Querer de novo
Abrir os olhos,
E viver.
Mas viver a sério,
Correr, saltar,
Brincar e rir.
Viver intensamente,
mas sómente amanhã.
Depois do nada!


autor: Jorge Assunção
2004/05/06
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 10:24
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Maio de 2004

NADA !

nada1.jpg
( autora: Ana Matos - aguarela )



Nada!
Dizer nada,
Nada a dizer.
Falar nada
Por coisa nenhuma.
Zero,
Nada de nada.
Nada a escrever.
Pensar em nada.
Nada!
Oco, vazio, nada.
Knoc, knoc, knoc,
Zero,
Não tem nada.
Nada a dizer.
Nada a escrever.
Nada a falar.
Nada!


autor: Jorge Assunção
2004/05/04
in Tou no TOP
publicado por Jorge dAlfange às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (37) | favorito
|
Domingo, 2 de Maio de 2004

Demoro-me em ti.

Demoro!
Demorando-me em ti,
Perco-me continuamente
Em teu espaço
Demoro!
Saboreio teu tempo,
teu corpo, tua alma.
Demorando-me em ti,
me esqueço e me acordo.
Demoro!
És parte de mim,
És gás transparente
Que respiro.
Ar da vida,
Ar de mim.
Demoro!
E demorando reencontro
A tua calma, a minha.
Tu! Eu!
Simplesmente,
Demoro!


autor: Jorge Assunção
2004/05/01
in Tou no Top
publicado por Jorge dAlfange às 11:05
link do post | comentar | ver comentários (32) | favorito
|

.mais sobre mim

.Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Vagueando ao vento...

. De vão em vão...

. Que te incomoda isso??

. Nesta dor que sinto...

. Ode ao Mar...

. Páscoa feliz

. Break time...

. Rosas da calçada

. Sindarin

. April 25... ?

.arquivos

. Junho 2011

. Outubro 2010

. Junho 2008

. Março 2008

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

.tags

. fotos

. poesia

. santarém

. santarem

. todas as tags

.SCAL-TUGA

SCALTUGA.gif
blogs SAPO

.subscrever feeds